Quanta Gente.

Pesquisar neste blog

Carregando...

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Os Pensadores das ciências sociais

Os Pensadores das ciências sociais

Por: Bruno P.F




De inicio Karl Marx um dos grandes pensadores sobre o capital e suas conseqüências e suas reações no futuro formulou um conjunto de idéias, e formulou uma nova forma de modelo econômico que influenciou politicamente vários lideres, essa forma de governo e o socialismo, teorizou sobre isso e escreveu muitos livros.
Marx que escreveu juntamente com seu parceiro Frederick Engels, e considerado um dos grandes pensadores da economia, política, filosofia, história  ele tambem exerceu também a profissão de jornalista, e morreu na Inglaterra depois de espalhar seus ideais, sua grande obra e o livro O Capital, Karl Marx e considera com um dos três pilares da ciências sociais
Émile Durkheim é considerado um dos pais da sociologia moderna. Durkheim foi o fundador da escola francesa de sociologia, posterior a Marx, que combinava a pesquisa empírica com a teoria sociológica. É amplamente reconhecido como um dos melhores teóricos do conceito da coesão social.
Nem tudo que uma pessoa faz é um fato social, para ser um fato social tem de atender a três características: generalidade, exterioridade e coercitividade. Isto é, o que as pessoas sentem, pensam ou fazem independente de suas vontades individuais, é um comportamento estabelecido pela sociedade. Não é algo que seja imposto especificamente a alguém, é algo que já estava lá antes e que continua depois e que não dá margem a escolhas.
Maximilian Carl Emil Weber (Erfurt, 21 de Abril de 1864Munique, 14 de Junho de 1920) foi um intelectual alemão, jurista, economista e considerado um dos fundadores da Sociologia.
A ética protestante e o 'espírito' do capitalismo é considerada a grande obra de Max Weber e é o seu texto mais lido e conhecido.
Weber mostra a preferência educacional dos católicos por uma formação humanista, enquanto os protestantes preferiam formação técnica. Ao mesmo tempo, mostrou as diferenças profissionais entre ambos os segmentos.
Weber mostra que o espírito do capitalismo não é caracterizado pela busca desenfreada do prazer e pela busca do dinheiro por si mesmo. O espírito do capitalismo deve ser entendido como uma ética de vida, uma orientação na qual o indivíduo vê a dedicação ao trabalho e a busca metódica da riqueza como um dever moral. Weber acentua claramente que o 'espírito' do capitalismo não deve ser confundido com a 'forma' do capitalismo.
Portanto os três pensadores apresentados contribuíram para a formação do pensamento das ciências sociais e para os estudos posteriores de varias áreas do conhecimento humano.

Um comentário:

  1. Caro Bruno,

    O livro História das Ideias Sociológicas de Michel Lallement nos traz uma boa perspectiva da influência da História na construção do conhecimento Sociológico.

    A obra está dividida em dois volumes. O primeiro: “Das Origens a Max Weber” nos apresenta os grandes pensadores que “instigaram” a “criação” de uma Ciência Social. O segundo volume: “De Parsons aos Contemporâneos” já nos traz a produção do que poderíamos chamar de Sociologia enquanto “Ciência Social propriamente dita”.

    Logo na introdução do volume um, o autor alerta que: “Os movimentos da Historia e da sociedade contribuem para criar continuamente novos problemas, para invalidar certos esquemas antigos e estimular novas análises”. No capítulo “Das filosofias da história aos precursores da sociologia” , Lallement nos relata como filósofos como Voltaire, Kante e, principalmente, Giambattista Vico e o Marques de Condocert preocupavam-se em “dissecar” em suas obras, uma “história dos fatos reais” (da sociedade).

    Apenas como citação, no segundo volume o capítulo “Conflitos e historicidade” o autor relata como os historiadores Marc Bloch e Fernand Braudel e o sociólogo judeu alemão Norbert Elias foram os pioneiros na linha de abordagem da Sociologia Histórica.

    Bem, a despeito de abordagens mais ortodoxas, dentro campo das linhas teóricas funcionalistas ou estruturalistas, acredito na indissociabilidade entre História e as Ciências Sociais, pois o objeto da Sociologia, seus “fatos sociais”, são dinâmicos, são históricos.

    Recomendo a leitura pois foi produzido dentro de uma linguagem que você chamaria de "histórias interessantes"
    para esclarecer e para contar.

    Abraços Fraternos,

    Juramir Oliveira
    juramirampliar@yahoo.com.br

    ResponderExcluir