Quanta Gente.

Pesquisar neste blog

Carregando...

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

A História do Rock no Brasil


A História do Rock no Brasil
Por: Bruno Ferreira




A história do rock no Brasil começa na década de 1950, mas apenas com força em 1970, a primeira gravação do rock foi com Nora Ney que, e mais tarde escrito por Miguel Gustavo o primeiro rock que foi gravado por Gauby Peixoto.
Na década de 1960 surge o maior cantor do rock e posterior da Musica popular brasileira, Roberto Carlos que teve os sucessos.
Splish Splash" e "Parei na Contramão". No ano seguinte, obteve mais sucessos como "É Proibido Fumar" (mais tarde regravada pelo Skank) e "O Calhambeque". Aproveitando o sucesso, a Rede Record lançou o programa Jovem Guarda, apresentado por Roberto ("Rei"), seu amigo Erasmo Carlos ("Tremendão") e Wanderléa ("Ternurinha"). Só nas primeiras semanas, atingira 90% da audiência.  Seguindo o sucesso das Jovem Guarda, surgem outros nomes.
Em 1966 surge a tropicália, mutantes que muda o modo de fazer rock e musica no Brasil, mas os mutantes começama desfazer com a saída de Rita Lee.
Na década de 70 por causa da ditadura militar Caetano se exila Rita Lee cresce  com novos álbuns e surge secos e molhados com o vocalista Ney Matogrosso, surgem novos nomes no Brasil como Milton nascimento em minas no Nordeste Fagner, Zé ramalho e também Belchior.
Nas décadas de 80 o rock brasileiro não para surge titãs, paralalamas do sucesso permanecem ativas até hoje, fazendo apresentações por todo o Brasil. Outras bandas e artistas da época, como Engenheiros do Hawaii, Legião Urbana e Renato Russo, foram imortalizados e tocam nas rádios até hoje, devido ao grande sucesso entre o público, principalmente adolescentes.
Os cariocas Barão Vermelho, surgidos em 82 e liderados por Cazuza. Com a saída dele (que teve carreira-solo bem sucedida), o guitarrista Frejat assumiu os vocais; e a mais influente Legião Urbana, liderada por Renato Russo, surgida em 82, emplacando alguns sucessos como Faroeste caboclo, Será e Eduardo e Mônica que chegaram ao topo das rádios. A banda acabou com a morte de Renato Russo, em 1996. Os outros legionários que compunham a banda eram: Marcelo Bonfá (bateria) e Dado Villa-Lobos (Guitarra). Renato Rocha foi baixista da banda até 1988.
surgiram os alegres Kid Abelha e Léo Jaime; Uns e Outros e o fim da banda Vímana revelou Lulu Santos, Lobão (também ex-Blitz) e Ritchie; em São Paulo, o Festival Punk de 81 revelou Inocentes, Cólera e Ratos de Porão. Além dessa cena, surgiram as principais bandas paulistas, como Ultraje a Rigor (no qual Edgard Scandurra tocou antes do Ira!), Ira!, Titãs, RPM, Zero, Metrô (banda),e Kid Vinil (então vocalista da banda Magazine).
No Heavy metal, originou-se em Minas Gerais a banda brasileira de maior sucesso internacional, o Sepultura, que toca o gênero extremo thrash metal, com letras em inglês. Outra banda a conseguir algum destaque no exterior (Japão) foi a paulista Viper, que também escrevia letras em inglês, e que ajudou a desenvolver um estilo que viria a ser chamado de metal melódico no Brasil. O Viper foi também responsável por revelar o vocalista Andre Matos, que participaria de duas grandes bandas brasileiras: Angra e Shaman.
Nas décadas de 90 aparecem novas bandas com estilos diferentes, mas que tinham nascidos na década de 80, Skank, Patu-Fu, J Quest, Tianastasi.
Entre 94 e 95 surgiram dois grupos bem-sucedidos pelo humor: os brasilienses Raimundos (94), com o ritmo forrocore" (forró+hardcore) e os guarulhenses Mamonas Assassinas (95), parodiando do heavy metal ao sertanejo, que chegaram a fazer três shows por dia e venderam 1,5 milhão de cópias antes de morrerem em um acidente de avião, em 96 (chegaram a 2,6 milhões).
Outros destaques são O Rappa, também reggae/rock; Charlie Brown Jr., um "skate punk" com vocais rap; Cássia Eller, com um repertório de Cazuza e Renato Russo; e Los Hermanos, que surgiram com "Anna Júlia", canção pop que não combinava com a imagem intelectual da banda.
Também surgiram as bandas Detonautas Roque Clube, CPM 22 e a cantora Pitty, que tomaram a atenção da mídia durante toda a década. Principalmente a banda CPM 22, que foi a primeira banda brasileira a tocar no Hard Rock Café nos Estados Unidos.
No heavy metal brasileiro, embora permaneçam underground, viu-se o surgimento de novas bandas que conseguiram carreira internacional: Shaman, Hangar, Mindflow, Hibria, Torture Squad, Burning in Hell, Shadowside, entre outras. As bandas consagradas da década passada, como Dr. Sin, permaneceram como grandes nomes na cena metálica, que teve Sepultura e Angra ainda como suas principais figuras.
A partir de 2009, uma nova tendência tomou conta do cenário musical brasileiro: o "Happy Rock", ou rock colorido, especialmente dedicado para o público feminino jovem e têm como suas principais características as roupas coloridas, óculos new wave, uso de sintetizadores e letras agitadas, alegres. O visual das bandas de Happy Rock também remete muito à Androginia de diversas bandas dos anos 80, como o Culture Club, liderado pelo vocalista andrógeno Boy George.


4 comentários:

  1. Olá Bruno! Gostei do seu espaço, principalmente
    dessa postagem aqui falando da história do Rock.
    Achei instigante sua forma de expor assuntos gerais
    da História, dentro dessa proposta clara e acessível.
    Parabéns parceiro, já estou seguindo. E levando fé
    nessa tua ideia de instigar a leitura da História através
    das páginas diretas e bem organizadas do seu blog,
    estou te levando lá para o meu, levando teu link ok?

    Grande abraço! Fica na paz.

    Bruno Gaspari

    ResponderExcluir
  2. A galera acha que o uso da guitarra determina a existência de rock. Pra mim, estilo e gosto musical n se discute, mas o estilo ''Happy ''rock não se enquadra no que o rock realmente significa( composição, melodia e atitude) me envergonho que existam pessoas q defendam isso como rock, isso n remete em nda o verdadeiro rock n roll.

    ResponderExcluir
  3. Olá!!!
    Encontrei teu blog hoje, gostei da forma mais descontraída que escreve para o blog, gostei da parte da história do rock no Brasil, mas, gostaria de saber porque você não incluiu Raul Seixas neste panorama da história do rock no Brasil.

    Parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir