Redes Sociais

Anuncio

Celular

Operação Salva Semestre

Celular

Quanta Gente.

Pesquisar neste blog

domingo, 29 de abril de 2012

O Cristianismo



Por: Bruno Ferreira

Como surgiu e como é hoje o cristianismo?

O Cristianismo nasceu das ideias de um homem que viveu aproximadamente 2000 anos atrás ele trouxe a luz ao mundo por meio de suas palavras de amor, carinho e humildade essas ideias estão presentes hoje em quase todos os países do mundo fazendo mudar e mudando a sociedade constantemente.
            De inicio o cristianismo surge dentro das sinagogas pregado por seu criador Jesus cristo ele que pregava pra todos os pobres e ricos no alto de montes e espalhava a boa noticia de um mundo novo ele era aquilo que os Judeus chamavam em sua profecia o Messias.
De fato Jesus de Nazaré mudaria para a sempre a história da humanidade nascido em Belém em uma manjedoura ele mudou o mundo colocando um novo modo de pensar e ver as coisas de Deus e do homem, colocando o amor a Deus, e a sua próximo como forma principal de alcançar o reino que ele tanto prometeu, a fé e as boas obras seriam fundamentais para alcançar aos céus.
Jesus andou espalhando a doutrina que perturbava os governantes e religiosos da época a região de sua morada era uma província do império romano, com o passar do tempo muitos fies seguiram Jesus isso fez com os governantes da época preocupasse cada vez mais com esse homem e por meio de um traidor Judas.  Ele foi preso e crucificado como traidor e em cima de sua cruz como sinal de zombaria coloram escrito rei dos judeus, mesmo assim com o passar dos anos o cristianismo continuo por meio dos seus apóstolos Pedro, Tiago, Mateus, Marcos e outros, todos foram perseguidos pelo império romano e mortos.
Um dos grandes propagadores do cristianismo foi Paulo de Tarso que propagou a fé junto com outros para enfatizar trecho do livro de Geogfrey Blayney.

Paulo se tornou um discípulo  tão fervoroso e dedicado  quanto nos tempos em que perseguia cristãos. Batizando, começou  imediatamente a cumprir o que considerava suas obrigações de cristão. Passou três anos na Arábia, onde viviam grupos de Judeus e de Cristãos, que provavelmente trabalhavam em portos ou centros de comércio. De sua estada lá, nada resultou, a não ser talvez, para ele, autoconhecimento e mais determinação.
Depois de muito hesitar, Paulo foi encontrar Pedro, Tiago e outros apóstolos, que viviam em Jerusalém, Eles logo se tornaram alidados.
(Blaney – Pg. 34 - 35)

Por muitos anos o cristianismo foi perseguido por religiosos e autoridades, mas mesmo assim a boa nova pregada por Jesus se espalhava através de seus ensinamentos  ao mundo, com o passar dos anos o cristianismo se fortalecia e o império romano enfraquecia para deter o enfraquecimento o imperador Constantino  oficializa o cristianismo como fé oficial e principal  do império romano as antigas crenças desaparecem a igreja surge novos pensadores formulam essa nova fé crista entre eles santo Agostinho, e são tomas de Aquino grandes teólogos da fé cristã católica.
Com a criação da igreja a fé se propaga essa igreja que surge era poderosa e forte por surgir dentro do coração do império romano, a partir daí o cristianismo ganha força e a autoridade máxima da terra seria o papa o bispo de Roma com o concilio de Niceia.
O Credo de Niceia, conhecido como concílios de Niceia e Constantinopla, foi ratificado como credo universal da Cristandade no Concílio de Éfeso de 431. Os cristãos ortodoxos orientais não incluem no credo a cláusula filioque, que foi acrescentada pela Igreja Católica mais tarde.
As crenças principais declaradas no Credo de Niceia são:
  • A crença na Trindade;
  • Jesus é simultaneamente divino e humano;
  • A salvação é possível através da pessoa, vida e obra de Jesus;
  • Jesus Cristo foi concebido de forma virginal, foi crucificado, ressuscitou, ascendeu ao céu e virá de novo à Terra;
  • A remissão dos pecados é possível através do batismo;
  • Os mortos ressuscitarão.
Na altura em que foi formulado, o Credo de Niceia procurou lidar diretamente com crenças que seriam consideradas heréticas, como o arianismo, que negava que o Pai e Filho eram da mesma substância, ou o gnosticismo.
As maiores partes das igrejas protestantes partilham com a Igreja Católica a crença no Credo de Niceia.
Ao passar dos anos no século XV a igreja era a senhora da idade media já que o império romano havia desfragmentando e outros reinos surgiam na Europa a grande instituição era a igreja que controlava o comportamento e a moral da época, surgir com isso o protesto de Martinho Lutero contra a grande quantidade de indulgencia que a igreja distribuía a pessoas de posses e com o passar do tempo para arrecadar mais dinheiro ela distribuía cada vez mais essas indulgencias que garantiam a entrada dos homens ao reino dos céus.
Lutero propunha uma reforma à igreja, mas a burguesia vendo que as ideias de Lutero poderiam ser úteis para a nova filosofia de vida que a burguesia buscava, que  pregava o lucro seria algo bom desde com trabalhão e honestidade, e que o trabalho seria uma vocação e não um castigo pregado pela igreja católica, tudo isso vinha a favor do capitalismo mercantil  que começa a surgir com grande força.
Com o passar dos anos outras doutrinas surgem na Europa cada qual para justificar algo e até permitir o casamento de reis mais de uma vez foi o que ocorreu na Inglaterra a chamada igreja anglicana. Com o passar dos séculos a igrejas e seitas surgem cada vez mais e mais cada qual com a uma interpretação diferente dos evangelhos a nova pátria que nascia nas Américas foi o berço de muita dessas novas seitas cristãs.
No século XX algumas dessas crenças chegam ao Brasil terra então predominantemente de fé católica já que seus colonizadores eram de doutrina crista católica, mas com a vinda da republica e de novos ares de pensamento o pais se abre para essas novas doutrinas cristas e a partir daí surge uma rivalidade de fies entre a igreja evangélica e católica nas ultimas décadas o evangélico protestante cresce mais e mais com um novo pensamento e uma nova doutrina a da prosperidade, a igreja protestante tem uma linguagem crista mais atualizada e menos hierarquizada e consegue entrar em comunidade mais humildes.
A igreja católica volta a se reformular já que a perda dos fies é grande cada vez mais e mais vemos a igreja reformula o pensamento e a forma de chegar ao povo de Deus. Em ambas a fé cristã existe hoje pontos fracos do ponto de vista católico o seus sacerdotes recebem denuncias de pedofilia nos estados unidos a igreja paga imensas indenizações, do lado protestante mais conhecido como evangélicos direto recebe-se a noticia de lavagem de dinheiro e outras denuncias sobre o enriquecimento ilícito de muitos pastores dessas igrejas.
O certo é que a igreja é a fé crista ganhou o mundo de fato a boa nova chegou a todos os povos essa boa nova chegou por meio de novas formas de propagação da noticia como radio, TV e internet por outro lado os transmissores do ensinamento de cristo não seguem de fato o exemplo do messias mas  o importante é que a fé em deus e a salvação terrestre para o reino eterno é individual e que prega para chegar nessa lugar o dever de fazer o bem, por fim a muito o que fazer institucionalmente nessa religião que surpreende a cada dia com suas variantes.

Bibliografia

Um Breve História do Cristianismo - Geofrey Blainey - Editora Fundamento - 2012

4 comentários:

  1. Prezado professor e historiador Bruno Ferreira,
    A história do surgimento do cristianismo faz parte da sua doutrina (Atos), não da história propriamente dita. Não se pode considerar o acatamento do Novo Testamento como científico, pois não é. Portanto, essa questão ainda é tratada de forma ideológica. Uns engolem tudo que seja contrário à versão oficial apenas por se contrário. Por exemplo: discordo que Constantino seja o pai do cristianismo, a despeito da sua participação. Quando ele nasceu o cristianismo contava com mais de século de existência. Constantino conheceu Lactâncio na corte de Diocleciano, na qual o filósofo cristão conspirava abertamente contra o sistema religioso que sustentava a tetrarquia. Portanto, os cristãos primitivos (possivelmente) nunca pisaram em Jerusalém e pertenciam as classes abastadas. A pátria do cristianismo foi a Ásia Menor. O Novo Testamento continua a ser um arranjo literário sem confirmações históricas. O motivo do surgimento do cristianismo foi o crescimento do proselitismo judaico nos três primeiros séculos. O cristianismo é o antídoto grego (com o apoio de uns poucos latinos) contra o judaísmo.
    http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/a-antiga-dec-ncia-crist
    http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/e-o-mundo-ocidental-quase-foi-judeu


    ResponderExcluir
  2. Quando iniciei minha pesquisa diletante acerca da origem do cristianismo, eu já tinha uma ideia formada que pode parecer esdrúxula: a perseguição aos judeus. Portanto, nada de Bíblia, teologia e história das religiões. Todos os que haviam explorado esse caminho haviam chegado à conclusão alguma. Contidos num cercadinho intelectual, no máximo, sabiam que o que se pensava saber não era verdade. É isso o que a nossa cultura espera de nós, pois não tolera indiscrições. Como o mundo não havia parado para que o Novo Testamento fosse escrito, o que esse mesmo mundo poderia me contar a respeito dessa curiosidade histórica? Afinal, o que acontecia nos quatro primeiros séculos no mundo greco-romano, entre gregos, romanos e judeus? Ao comentar o livro “Jesus existiu ou não?”, de Bart D. Ehrman, exponho algumas das conclusões as quais cheguei e as quais o meio acadêmico de forma protecionista insiste ignorar.

    http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/paguei-pra-ver

    https://www.youtube.com/watch?v=juCACLom5IA

    ResponderExcluir
  3. Quando iniciei minha pesquisa diletante acerca da origem do cristianismo, eu já tinha uma ideia formada que pode parecer esdrúxula: a perseguição aos judeus. Portanto, nada de Bíblia, teologia e história das religiões. Todos os que haviam explorado esse caminho haviam chegado à conclusão alguma. Contidos num cercadinho intelectual, no máximo, sabiam que o que se pensava saber não era verdade. É isso o que a nossa cultura espera de nós, pois não tolera indiscrições. Como o mundo não havia parado para que o Novo Testamento fosse escrito, o que esse mesmo mundo poderia me contar a respeito dessa curiosidade histórica? Afinal, o que acontecia nos quatro primeiros séculos no mundo greco-romano, entre gregos, romanos e judeus? Ao comentar o livro “Jesus existiu ou não?”, de Bart D. Ehrman, exponho algumas das conclusões as quais cheguei e as quais o meio acadêmico de forma protecionista insiste ignorar.

    http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/paguei-pra-ver

    https://www.youtube.com/watch?v=juCACLom5IA

    ResponderExcluir