Redes Sociais

Anuncio

Celular

Operação Salva Semestre

Celular

Quanta Gente.

Pesquisar neste blog

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

A Homossexualidade em Roma: Os papeis no sexo




Por: Bruno Ferreira


            Na Roma antiga a homossexualidade não estava presente apenas nas ruas entre os nobres, mas também dentro dos palácios o caso mais famoso era do jovem imperador Heliogábalo, esse adolescente que chega ao poder por meio de um golpe de estado organizado por sua mãe.

Escultura de Heliogábalo

            Heliogábalo além de dar um golpe colocou todo império romano a serviço dos seus delírios, e de sua crueldade. Suas vestimentas eram feitas de seda e não parecia nenhum pouco com o pesado tecido de lã usado em Roma, ele mandou fazer um retrato em que aparece com essas vestimentas.
            O excêntrico imperador pouco se interessava pelo governo e o império era comandado pelo seu avó e a mãe, Heliogábalo desfrutou o quanto quis da sua vida sexual  na Roma antiga isso até era algo censurado, mas muitos imperadores fizeram essa exagero pelo sexo.


O historiador Paul Veyne afirma em seu livro sexo e poder em Roma (Civilização Brasileira, 2008) que a questão do homossexualismo naquele sociedade era secundaria desde que seguidos alguns princípios. Diferenciar o homem livre ou cidadão do escravo era um ponto crucial da moral vigente.


            De um modo geral a sodomização e o ato sexual com seu escravo era algo aceitável, desde que o cidadão tenha sua posição sexual como ativo na relação. Os casos de estrupos eram protegido por lei os adolescentes livres, homens e mulheres e casadas eram protegidas por lei partir de 149 a.C.
            O sexo em Roma não era um assunto tão aberto, o que estava determinado para o cidadão era não ser escravo e nem ser passivo, o imperador Heliogabalo que praticava sexo e desfrutava a vida como poucos, o imperador começou a cair em desgraça quando notoriamente começou a ostentar relacionamentos onde claramente seu papel era de passivo, mas além de a sociedade romana ficar horrorizada com o fato a sua pouca habilidade como administrador fez com que seu fim fosse cruel.


Heliogábalo tambem gostava de exibir em público sua intimidade apaixonado por Hierocles, um cocheiro, transformou-o em amante regular. Vez por outra, com o corpo totalmente depilado, vestido  de mulher e com peruca, o imperador aparecia ao lado do belo parceiro  e se orgulhava de ostentar as marcas das pancadas que levava do “marido”. Certa vez, o imperador atrelou  várias mulheres nuas e uma carroça para que o transportassem também nu em pelo.

           
Toda essa exuberância sexual foi registrada pelo historiador contemporânea ao imperador Dion Cássio, segundo ele o jovem imperador tinha o sonho de fazer uma abertura acima do seu “sexo” para usar como “vagina” realizando seu sonho.
Sua exentrida ou loucura estava exposta nas grandes festas que fazia com dinheiro publico, ele exigia cama de prata maciça, piscinas de vinho de rosas, roupa de seda, banquetes onde o cardápio era iguarias extravagantes, como língua de pavão, o imperador gostava de refeições temáticas.
O seu reinado terminou de forma brutal, pois seu comportamento atraia muitas inimizades, seus familiares tentaram salvar o reinado, mas não teve alternativa e  os guardas pretorianos (guarda pessoal do imperador) tomaram o poder e em 21 de março de 222, capturaram o jovem imperador Heliogábalo estrangularam-no, decapitaram-no e jogaram o cadáver no rio Tibre sua mãe teve a mesma sorte.
            Vemos que a história desse imperador apresenta certas semelhanças com outros monarcas como é o caso de Luiz XIV o conhecido rei Sol, onde a homossexualidade aparece presente em relatos, mas sem duvida nenhuma, o que motivou a sua queda foi sua loucura e exagero abusando do seu poder como imperador, mas se ele vivesse nos dias de hoje certamente sua homossexualidade seria mais aceita e certamente o sonho de ter uma “vagina” seria concretizado atraves das cirurgias de mudança de sexo.

Bibliografia

Catharine Salles. Revista História Viva, Ano VI Nº 70, 70 Anos da Guerra Civil Esapnhola, editora duetto.

2 comentários:

  1. Totalmente idiota dar os adjetivos que deu a ele, a historia e polemica mas não tem nada de bizarra, foi um ser humano, fora isso otimo texto.

    ResponderExcluir
  2. O caso desse imperados não define a homossexualidade na Roma antiga. Para quem quiser saber mais sobre o assunto, sugiro a leitura do livro "Homossexualidade, uma história".

    ResponderExcluir