Redes Sociais

Anuncio

Celular

Operação Salva Semestre

Celular

Quanta Gente.

Pesquisar neste blog

sábado, 29 de setembro de 2012

DE: ARIEL ESTRELLA


Pessoal entre no blog do meu amigo Ariel Estrella um ótimo artista de forte emoções.

De: ARIEL ESTRELLA
O documentário no youtube _  A História das coisas, mostra que o governo deveria servir as pessoas; na educação, na saúde, na assistência e etc, entretanto beneficiam primeiramente as corporações, por causa do poder monetário. E estas, utilizam os meios de comunicação e diversas técnicas persuasivas para motivar ao consumismo. Desta forma as pessoas trabalham mais do que deveria, para comprar mais do que necessita. Num sistema constante e alucinado; acabando com os recursos naturais, consumindo as águas, acabando com os animais, poluindo o meio ambiente, intoxicando alimentos e etc. O irônico é que a maioria das pessoas se sente mal, não por causa de tudo isto que esta acontecendo; mas por não estar na moda, nos estereótipos sociais ou no status-quo.    As propagandas é um bom exemplo que influência o sonho de comprar: imagens, músicas e palavras podem capturar a imaginação das pessoas e dar a elas experiências instintivas, emocionais e “racionais” que as elas passam a desejar, procurar e consumir. Nestas propagandas não se vende o produto/serviço, mas sim a fantasia, o valor subjetivo que está associado à felicidade e realização.
As corporações através dos meios de comunicação nos apresentam “soluções” imediatas para problemas superficiais, enquanto outros mais relevantes nem chega a ser conhecidos. E, além disso, estas “soluções” nos cobram decisões imediatas, diminuindo assim a noção de tempo.
A noção da vida.
O mundo das aparências influência as pessoas a valorizar mais a moda, o status; do que as pessoas, relações significativas, questões morais e a natureza.
O melhor do vídeo: A história das coisas, é que no final aponta para soluções verdadeiras e significativas. Mas prefiro não dizer, para despertar a curiosidade e fazer uma propaganda deste documentário, levando o leitor, quem sabe a consumir.
___________________________
O documentário CAPITALISMO: UMA HISTÓRIA DE AMOR de Michael Moore, é envolvente, contundente e militante (luta por uma causa); mostra que o capitalismo é o contrário do bem comum, um sistema que enriquecem poucos e exploram a maioria, um sistema que usa seres humanos como objetos para ganhar dinheiro e depois descarta, faz chefes aumentar ainda mais sua renda cortando os salários de seus colegas de trabalho ou demitindo funcionários para aumentar as ações na bolsa de valores, causa opressão e influência no aumento das vendas dos psicotrópicos, utiliza a propaganda ideológica para as pessoas apoiarem aquilo que as tornam vítimas, prevalece sobre a democracia, um sistema que faz sempre os pobres sofrerem a desgraça enquanto todos merecem emprego decente, assistência de saúde, boa educação e moradia.
A base do sistema capitalismo é o lucro, a lógica é idolatrar o esbanjamento e o consumo.
Neste documentário mostra que o capitalismo é um mal e não se pode regulamentar o mal; você tem que eliminá-lo ou substituí-lo por algo que seja para o bem de todos.
Isso se chama democracia.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Golpe militar de 64 - "O Dia que Durou 21 anos" - 1º episódio


A História da Vida Privada nos dias de hoje. O que é Vida Privada?





Por: Bruno Ferreira


A vida privada é aquilo que acontece cotidianamente e exposta ao olhar da família, dos amigos, dos conhecidos nisso e bom separar a vida privada da “vida secreta” que é revelada parcialmente a algum confessor como psicanalista, padre ou amigo e também existe a vida estatutária a pessoa que chegou a um cargo de prestigio e de confiança como presidente, ator, esportista ou uma grande personalidade independente da profissão.
Em eleições passadas disputadas entre Fernando Henrique e Jânio quadros para a prefeitura de São Paulo foi tirada uma foto de FHC na cadeira de prefeito o qual era seu amigo imediatamente essa foto foi parar na imprensa e FHC perdeu as eleições para prefeito, podemos falar desse episodio como a quebra da vida privada ou “a vida privada violada” pelo sistema midiático, a pessoas que reage de forma diferente, outras a casos as pessoas são extremamente agressivas, outras maleáveis e superam o episodio.
Podemos perceber que existem dois “eus” um “eu” intimo, e um “eu” de aparências e papeis que assumimos esse ultimo chamado “estatutário”,  durante a história percebe-se de que existe uma  particularidade do tempo e do lugar de formas diferentes aquilo que acontece no cotidiano da maioria das pessoas, estudado pela história do cotidiano ou história da vida privada, e aquilo que é estudado no eu intimo conhecido estudado pela psicologia, a história tem o dever de investigar os fatos do tempo passados para tentar responder as perguntas do tempo presente e do futuro.
A História tenta abordar as ações não apenas políticas, religiosas, culturais, mas agora tenta num presente recentes abordar a historia da vida privada e do cotidiano, o que nos últimos 30 anos ouve uma revolução em campos tecnológicos que influenciaram a vida humana como as inovações em internet, celular, genética e o surgimento de novas doenças como a AIDS.
No campo da tecnologia a história desses pequenos aparelhos domésticos avançou muito parece que foi a pouco tempo que usávamos apenas o telefone fixo inventado por Graham Bell, onde um aparelho transmitia por uma linha elétrica um sinal da sua voz que chegava a outro aparelho idêntico, os anos passaram e essa transmissão passou a ser transmitida por apenas sinal sonoros invisíveis, no começo com aparelhos grandes e caros e poucas pessoas podiam utilizar, mas com o tempo esses aparelhos se tornaram pequenos e baratos ganhando o mundo hoje bilhões de pessoas utilizam os famosos celulares ou telemóveis  o mundo está na palma da mão com o avanço da internet.
A internet que passou por uma revolução na segunda metade do século XX saindo do campo militar ganhando o mundo das universidades americanas e revolucionada por Bill Gates e outras pessoas menos conhecidas o computador passou de um aparelho enorme para algo que carregamos na palma da mão, essa revolução capitalista tecnológica revolucionou e revoluciona constantemente as nossas vidas facilitando o dia a dia e fazendo construir uma história da vida privada, mais do que isso a revolução tecnológica chegou aos governos com sites que facilitam a vida do cidadão até mesmo no voto, onde o cidadão vai votar em urnas eletrônicas em questão de horas os resultados aparecem e o candidato ao cargo público e reconhecido pela população.
No cotidiano dos dias de hoje a internet é fundamental e na vida privada de cada ela faz parte hoje lojas grandes e pequenas tem sites para mostrar o seu produto ou até mesmo vender, sendo entregue o produto via correio o avanço do aparelho computador foi de tal forma que hoje telefone e internet andam juntas em um tablet que é do tamanho de uma folha de caderno ou até menor.
O que á mais de privado na vida privada de cada pessoa é a genética o homem é fruto de combinações genéticas de seus pais e do meio em que vive, seja ele quem for filho do mais rico ao mais pobre, ele não escolhe a cor dos seus olhos nem o seu tamanho a partir de suas características genéticas o meio que ele nasce e vive ira orientar e formar esse cidadão.
A genética evoluiu muito nas ultimas décadas de tal forma que produz espécies transgênicas capazes de resistir a determinada praga graças a mudanças feitas em laboratório, um dos casos mais famosos do mundo é da ovelhinha Dolly que foi clonada ou seja reproduziu outra ovelha igual a primeira.
Hoje é possível o homem modificar sua própria espécie em laboratório, mas em 1997  a ONU  adotou “ Declaração Universal Sobre o Genoma Humano e os Direitos Humanos” elaborada e debatida por anos, pelo comitê internacional de Bioética.



A sociedade atual sempre acolhe com hostilidade as ideias novas, particularmente na área da reprodução. O medo do desconhecido, suscitado pela contracepção, fecundação invitro, conservação de embriões, engenharia  genética, entre outros, doação de embriões, engenharia genética, entre outros, revelou-se amplamente infundado (...). A introdução de genes no homem poderia servir para melhorar a qualidade de vida do receptor ou, por exemplo, prolongá-la (...). Tais possibilidades passiveis de assumir uma importância e uma utilidade consideráveis para as gerações futuras, não deveriam ser apressadamente descartadas.



As questões da vida humana que faz parte da historia do cotidiano do homem cada vez é mais compreendida de uma forma jornalística e pouco pesquisada pelos historiadores capazes de levar a luz a situações parecidas ocorridas no passado a questão da genética está para hoje, como a questão de que o mundo seria redondo, hoje sabemos que a terra é um globo mas no passado essa era uma duvida cruel a genética não deixa de ser uma duvida cruel o que devemos fazer com a descoberta de tanta tecnologia tanto eletrônica como no campo biológico, está é uma duvida cruel.
            A AIDS essa foi uma doença que abalou a vida privada e o cotidiano do homem nos últimos 30 anos, a AIDS que surge em meados de 1980 e alastrou pelo mundo, e foi um choque para a classe media, provocou também reações ambíguas  e de desconfiança nas pessoas, em relação aos homossexuais onde acreditava que todo homossexual seria aidético chegou a conclusão que a doença e transmitida por transfusão de sangue e por outros meios, hoje a pessoa de AIDS vive quase que normalmente tomando remédios fortes ela consegue desenvolver uma vida comum e diminuiu muito a proliferação dessa doença, graças a campanhas promovidas por governos do mundo inteiro com o uso de camisinhas em relações sexuais.
            Portanto podemos concluir nessas primeira etapa que a mudança ocorridas nas ultimas décadas relacionadas a tecnologia e avanço na genética e a descoberta de novas doenças fazem parte a vida privada e do cotidiano da vida humana e que cabe estudo por parte dos historiadores pois a história humana do presente está muito bem descrita pelos jornais e telejornais mas pouco relacionada ao passado e as transformações ocorridas durante o tempo e que cabe ao historiador fazer uma busca continua dessas transformações, trazendo e ressuscitando o passado como forma de ajudar o presente e o futuro.

Bibliografia

História da vida privada, 5: Da primeira Guerra e nossos dias/ organização Antonie Prost, Gérard Vincent; tradução Denise Bottmann; Dorothée de Bruchard, posfácio - São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

O Nascimento do Estado de Israel


Antigo Simbolo do Judaísmo - A estrela de Davi foi adotada em 1948 como emblema na bandeira do novo Estado de Israel e também durante a segunda guerra Hitler marcava os judeus no campo de concentração com a estrela de Davi.


Por: Bruno Ferreira


A partir do ano de 1880 os judeus começaram a migrar para a palestina, onde era controlada pelos turco-otomanos, os judeus migraram com a finalidade de criar um estado Judaico. Esse objetivo ganhou força com o primeiro congresso  Sionista, na Suíça em 1897.
Em 1917 o governo britânico através da declaração de Balfour, reconheceu a necessidade de criar um estado judaico.
Com a liga das nações organizou que a região da palestina seria um protetorado dos britânicos, esses tiveram que conciliar diferentes reivindicações dos grupos árabes e judeus. Em 1939 convocaram uma conferencia para discutir  as relações entre esses dois povos, ao final da conferencia os britânicos cederam aos árabes e proibiram a migração judaica na região.
No entanto essa questão veio a mudar após a segunda guerra quando a perseguição judaica aumentou e a questão tornou-se uma questão moral, após o holocausto, o presidente Truman, liberou milhares de vistos e permitiu a entrada de judeus vindo da Europa.
 Em 1947 os britânicos deixaram a questão da palestina para a ONU onde fez o seguinte acordo, e propôs a divisão entre judeus e árabes e Belém deveria permanecer sobre controle da ONU esse acordo mostrou impraticável.
A guerra civil começou quando os britânicos retiraram do território disputado, em 1948 o líder do sionista declarou a criação do estado de Israel, com essa guerra rechaçou outros invasões dos países vizinhos. Em novembro forças judaicas garantiam outras áreas isso criou uma corrente de 500 mil refugiados árabes para estados vizinhos, onde muitos deles juntos com seus descendentes permanecem até os dias de hoje.
Portanto ao final da segunda guerra a criação de um estado judaico foi apenas uma consequência, mas a criação de um estado onde já ocorria a existência de outro povo acabou gerando um conflito que dura até os dias de hoje, essa questão da palestina permanece mal resolvida até os dias atuais, hoje o mediador  do conflito é os E.U.A.


sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Fatores Responsáveis da Crise do Feudalismo




Por: Bruno Ferreira

A vida no sistema feudal mostrava-se cada vez mais autoritária e fechada e a partir do século XIII mostrava-se os primeiros sinais de crise do sistema feudal, os principais fatores que provocou o fim do sistema feudal foi o crescimento demográfico, o avanço das técnicas agrícolas, a aplicação das áreas agricultáveis, a crise agrícola do século XIV e as epidemias e revoltas camponesas do século XIV.
 o crescimento demográfico com o estabelecimento dos povos bárbaros, para solucionar o aumento de tantas bocas teve na França e na Alemanha um avanço na agricultura sobre terras onde havia florestas e pântanos denomina-se arroteamento  quando todas as fronteiras havia sido levadas ao limite máximo.
Ocorre nesse período o aumento de técnicas agrícolas e de novas terras melhoramentos na agricultura e na utilização da força motriz das águas correntes  e dos animais. Com a aplicação das áreas agricultáveis os filhos das famílias muito grandes iam em busca de novas terras em lugares distantes.
A crise agrícola no final do século XIII que chegou a faltar sementes, comprometendo o cultivo. Com uma população mal alimentada surge epidemias e doenças ocorre a famosa “peste negra” que calcula-se que matou um terço da população europeia.
No século XIV surgem as revoltas camponesas que foram resultando de combinações das varias dificuldades dessa época como: fome, doença, aumento desordenado dos preços, grande numero  de mortes, exigências  senhoriais.
A baixa idade media ainda teve como decadência do sistema feudal, o inicio das cruzadas, e o renascimento comercial, cultural e urbano, surge as corporações  de oficio e o estado ficava mais forte com o aparecimento das monarquias nacionais e para piorar acontece a famosa guerra dos cem anos entre França e Inglaterra.
Portanto vários fatores foram responsáveis para o fim da idade media e do sistema feudal e o aparecimento da primeira forma de capitalismo através das feiras e logo de um novo sistema conhecido como mercantilismo.


segunda-feira, 17 de setembro de 2012

A Rússia de Lênin e Stalin





Por: Bruno Ferreira



Ao chegar ao poder depois de expulsar a elite e os Czares que reinaram a Russia por seculos, Vladimir Lênin centralizou o poder e permitiu todos os partidos e políticos rivais fazerem parte da composição desse novo governo "popular", dando a partir daí poderes aos comitê central do Partido Comunista  expulsando também aqueles que não faziam parte da linha política que iria ser instalada na Rússia.
Em 1921 Lênin promove uma política econômica para tentar reverter o processo de decadência da Rússia essa política é conhecida como (NEP) a onde os camponeses tinham mais controle sobre os níveis da produção agrícola do que os bolcheviques mais rigorosos gostariam. Foi criada a U.R.S.S que seriam conhecida como União das Republicas Socialistas Soviéticas em 1922.
O Stalinismo começa com a  morte de Lênin, é Iossif Stálin expulsou e mandou matar os adversários do seu partido assumindo o poder no lugar de Lênin, Stalin estabeleceu uma linha mais dura  e um controle do estado ainda maior que se antecessor, mas em 1928 e 1937 instituiu o primeiro passo para uma maior expansão econômica russa os planos Quinquenais foi organizado de tal modo que ao final a URSS era uma sociedade altamente industrializada capaz de rivalizar com os E.U.A. Stalin  tambem aplicou uma política de “coletivização” onde as terras pertenciam aos Kulaks esses que eram grande fazendeiros foram obrigados a doar suas propriedades a cooperativas.


Outro grande feito da U.R.S.S e de Stalin foi conseguir a vitoria na segunda guerra, muitos historiadores acreditam que se não fosse a vitoria em Stalingrado o mundo poderia ser outro hoje
Mas a cara cruel do seu regime está na rede de campos de trabalho forçados (o gulag) e no “Grande Terror” de 36 – 38, com a ajuda da policia secreta Stalin e seu regime matou milhares de pessoas em campos de concentração especialmente inimigos políticos e a burguesia e a elite. Apenas com a morte de Stalin que esse terror chegou ao fim.
Portanto ninguém mais quer regimes opressores como o que aconteceu no século passado tanto nos de extrema direita com Hitler como de extrema esquerda com Stalin, mas o mundo de hoje procura uma política mais justa e menos elitista e burguesa e que seja está política cada vez mais voltada para os menos favorecidos, a revolução russa foi de extrema importância para dar o recado para a burguesia nos existimos e somos cidadãos a partir das ultimas décadas do século XX o mundo busca uma nova política baseada na Social Democracia e na esquerda menchevique.




Bibliografia
Guia Ilustrado Zahar - História Mundial  - Philip Parker.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

O Mercantilismo





Por: Bruno Ferreira


O mercantilismo foi um das políticas econômicas adotadas ao fim da idade media e faz parte de uma das etapas de formação do capitalismo, esse sistema era complexo e foi formulado a partir das ideias de economistas dos Estados que nasciam onde considerava a riqueza de um estado o metal, ou seja, prata ou ouro.
De uma forma geral o mercantilismo tem características próprias como: a intervenção do estado na balança de comercio para isso formula-se as principais características como o nível que riqueza de um país  ou seja quanto maior o numero de metais de um estado mais rico e o estado, uma balança sempre favorável tendo como meta importar mais do que exportar.
O protecionismo alfandegário através de tarifas, também a defesa da produção nacional, e o desenvolvimento nacional objetivando o desenvolvimento do estado, e os estados mercantilistas incentivavam a expansão demográfica, e para ter todas essas praticas garantidas não pode faltar à intervenção do Estado na economia.
Esse sistema na época que surgiu permitiu ao rei o recolhimento de impostos, a manutenção das necessidades do estado esses metais que entram no cofre do rei permitia a manutenção de um estado cada vez mais forte, surgia uma aliança entre o rei e a burguesia classe nascente que buscava no comercio de mercadorias do novo mundo meio para o enriquecimento e acordos com a classe dominante o rei a e nobreza, essa formula político-econômica realizou o sonho da burguesia de enriquecer e do rei de ficar ainda mais poderoso se tornando absoluto.
Nesse processo de formação econômica de um novo modo de explorar riquezas e transforma-la em beneficio ao ser humano e riqueza para o estado absoluto o trabalho passa a ter uma nova conotação  passa de um pensamento medieval de que o trabalho era para as classes  inferiores, passando para uma concepção onde a ociosidade, e prejudicial ao homem e todo tempo livre deve ser empregado no trabalho, que gera e multiplica riquezas, indo essa ideologia contra o pensamento da igreja onde o trabalho era um castigo que Deus deu ao homem ao expulsar do paraíso.
Nesse processo de formação do sistema mercantilista a expansão marítima e um dos principais resultados do processo de formação  do novo mundo que nascia ou os primeiros passos da globalização, com a ajuda do estado a burguesia europeia cruzou mares e oceanos saindo do comercio do mar mediterrâneo e indo em busca de novos mercados descobrindo novas rotas para esse comercio esse força de mover-se pelos oceanos foi mais que um avanço comercial mas sim tecnológico e político pois o estado na figura do rei que centralizou a política de desenvolvimento tecnológico com a busca de novos rotas a primeira rota por oceano foi com a índia onde os portugueses lançaram ao mar e conseguiram a partir daí mudar o foco comercial do mediterrâneo para o atlântico e indico.
Antes da descoberta de novos caminhos  ocorre a formação do primeiro estado nacional que é Portugal com a tomada da  península ibérica pelos portugueses e espanhóis conseguiram vencer a penetração dos mouros e formaram a partir daí os estados nacionais, em quanto Colombo foi para a índia em direção horizontal e acabou descobrindo o novo mundo, vasco da gama deu a volta pelo continente africano descobrindo o caminho mais viável para as índias.
O grande avanço que o mercantilismo trouxe foi vários e inúmeros como o avanço tecnológico com a descoberta da cartografia, a bússola, e o astrolábio como também o aperfeiçoamento das relações sociais entre o rei e a burguesia marcando o começo de uma mudança política na qual iria acabar com a queda da bastilha na famosa revolução francesa, no âmbito econômico o avanço de novas mercadorias e rotas de comercio e a descoberta de novas terras sem duvida nesse processo de formação do mercantilismo não se pode esquecer o papel de economistas, reis, burgueses e desbravadores que fizeram surgir uma das primeiras formas do futuro capitalismo, sem duvida nenhuma as circunstâncias geraram um aperfeiçoamento cada vez maior desse sistema econômico.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

O Egoísmo na Vida Humana





Por: Bruno Ferreira


O Egoísmo está presente no ser humano em muitos aspectos da vida no amor, trabalho, no poder entre outros podemos ver o egoísmo disfarçado por outros meio como o lucro quem mais falou sobre isso foi Adam Smith que disse que o ser humano é egoísta por natureza e que com sua ganância ele acaba beneficiando a sociedade em que vive.
Quando um senhor abre um armazém perto da sua casa ele está movido pelo egoísmo de ser rico, mas sem dar conta ele acaba ajudando os moradores daquele bairro com produtos, ou seja, no seu egoísmo ele ajuda a sociedade está é uma grande defesa para a ideia do capitalismo.
Smith ainda fala em deixar a sociedade livre sem barreira, pois a própria economia da conta de mover a sociedade sem a interferência do estado.
O Egoísmo está presente no amor, pois o amor que vemos está baseado no amor egoísta e individual que busca no outro a satisfação própria, em outras culturas como a indígena esta relação de amor pode ser individual, mas está baseada em uma poligamia, ou seja, um mesmo homem pode ter varias esposas.
Nos tempos modernos a partilha e a caridade estão cada vez mais raras entre os cidadãos desse novo mundo, apenas grupos e ONGs buscam uma solução para certos problemas sociais, mas mesmo assim através dessas ONGs pessoas buscam sua autopromoção social.
Observamos na história o egoísmo e ganância pelo poder em diferentes esferas tanto política como religiosas ou militar, muitos com esse egoísmo entraram para história como é o caso de Cezar, Napoleão, Hitler entre outras esses utilizaram da sua ganância  para obter o sucesso pessoal, outros utilizam de sua boa vontade e sucesso para a autopromoção como é o caso Mandela, Einstein, Gandhi entre outros
O egoísmo portanto sempre esteve presente na natureza humana fazendo parte dos seus sentimentos sabendo que a utilização dele pode gerar bons frutos ou péssimos que prejudiquem uma pessoa, população ou mesmo uma nação.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

A Verdadeira Independência do Brasil: Suas Consequências




Por: Bruno Ferreira


O príncipe não esta em sua melhor forma durante sua cavalgada pela tortuosa estrada de santos na qual conduzia para a baixada santista, seus imediatos foram em direção ao príncipe de são Paulo para santos com maço de cartas para vossa alteza D. Pedro chegando às margens do riacho Ipiranga quando chegaram D. Pedro estava a beira do riacho agachado fazendo suas “necessidades fisiológicas” a correspondência foi entregue rapidamente D. Pedro amassou as cartas e a pisoteou montou em seu cavalo e disse a guarda de honra “ Amigos, as cortes de Lisboa nos oprimem e querem nos escravizar... Deste dia em diante, nossas relações estão rompidas.
O príncipe tirou a espada e disse à frase que entraria para a história: “Brasileiros, de hoje em diante nosso lema será: Independência ou Morte”. Era o dia 07 de setembro de 1822 e o sol, em raios fúlgidos, brilhou no céu da pátria naquele instante.
De fato o Brasil ficou independente da metrópole portuguesa e de 3 séculos de exploração de nossas terras mas passou a ser dependente de uma divida quase que eterna e de um período de muitos conflitos, além de Portugal reconhecer a independência através de um pagamento de 2 milhões de libras, a Inglaterra e  passou a ter forte interesse nesse mercado novo é independente que era o Brasil.
De fato podemos comemorar a independência e a união federativa do Brasil, pois como o que aconteceu na America espanhola que foi totalmente fragmentada a America portuguesa permaneceu unida graças a força sufocante de seus imperadores e lideres que governaram as terras tupiniquins.
Mas tempos antes do dia da independia D. Pedro havia dito que ficaria no Brasil no famoso dia do fico, sim ele ficou até a ameaça da perda da coroa em Portugal a onde saiu correndo para Portugal e deixou seu filho de apenas sete anos no poder deixando também regentes políticos que iriam governar o Brasil por um período de sete anos, até o golpe da maioridade.
Além de unificar o poder os regentes foram capazes de derrotar a confederação do equador, e abafar as varias rebeliões que aconteceram no Brasil que foram Balaiada, Cabanagem, Sabinada e a guerra dos farrapos esse ultimo o mais duradouro, todos foram cruéis e entra para a história do Brasil como um dos períodos mais sangrentos de nossa história.
Um dos fatos para perde de legitimidade de D. Pedro I é o fato de ele ter imposto uma constituição com um poder alem do desejado o chamado poder “moderador” a onde ele tinha o poder acima da própria lei.
Mais tarde um golpe foi dado o golpe da maiorida a onde ficava permitida a tomada de posse de D.Pedro de Alcântara virando D. Pedro II, esse que foi o ultimo monarca do Brasil e um dos que mais permaneceu em um trono no mundo, ele foi importante para que o Brasil consegui-se uma certa instabilidade Política capaz de desenvolver certos setores do Brasil através do poder e empreendedorismo do Barão de Mauá.
Sem duvida nenhuma o Brasil foi o único pais a ter uma monarquia durante um processo de independência que no qual a maioria dos países vizinhos opinavam pela republica, esse foi um fator bom e ao mesmo tempo ruim, ruim pois o povo não participou do processo de independência e bom pois o Brasil não fragmentou em diversas republicas criando assim um pais fraco e mais pobre.