Redes Sociais

Anuncio

Celular

Operação Salva Semestre

Celular

Quanta Gente.

Pesquisar neste blog

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

A Guerra do Paraguai





Por: Bruno Ferreira


Passado mais de 150 anos o conflito um dos conflitos militares mais importantes da America do sul ainda desperta paixões e discussões, a historiografia de cada pais apresenta uma história diferente dos fatos, a verdade é que o conflito surge pelos interesses do general Lópes  que queria um grande Paraguai, para isto procurava uma saída pra o mar e o Brasil estava no caminho.
Ao longo de três séculos a região  fronteiriça entre Brasil e Paraguai era uma região de ninguém, onde Portugal e Espanha não conseguiam estabelecer os limites legais, o quadro começa a piorar em 1680 quando os portugueses fundam a colônia de sacramento em frente a atual capital argentina Buenos Aires, depois de um século e meio a crise chega, a partir de 1811 e 1816 seria difícil ver a paz na região dos pampas.
O Paraguai tornaria-se neste período o primeiro pais independente da região, separando com isso da argentina, mais tarde a argentina ficara independente e pós a isto o Uruguai, este ultimo estabelecia como pais neutro frente a duas principais potencias da região.
Ao longo de guerras na região do Uruguai fomentada pela política local e discussões entre Brasil e Argentina chegaram ao fim a imposição de General Uruguai Venâncio Flores este que fazia parte do partido colorado, vendo isto o ditador Paraguai Solano Lopes disse  de que o Paraguai chegara a hora de intervir na região, era assim um jogo de interesses políticos e econômicos.
O ditador temera que a região ficara bloqueada para o Paraguai, vendo isto Lópes decidiu aprisionar um navio brasileiro em Assunção e invadiu o Mato grosso, mais tarde atacou o Rio Grande do Sul e a Argentina e as tropas que havia invadido o Uruguai, embora o Uruguai fosse menor e menos rico o pais estava preparado para a guerra, tinha mais homens e armamentos.
Com a assinatura do tratado da tríplice aliança, a marinha brasileira atacou e acabou com a marinha Paraguai na famosa batalha do Riachuelo, até então apenas o Paraguai tinha atacado, desta forma as tropas aliadas foram até a assunção e lá tiveram a forte resistência da fortaleza de Humaita, está que era fora construída por brasileiros.
Mas com tudo isto os paraguaios resistiram por cinco anos obtiveram a ajuda geográfica do Paraguai, lutaram até o fim pois eram fomentados pelas ideias do ditador  López, pois se não resistirem ficariam aniquilados, após a derrota na batalha de Tuiuti o conflito transformou em uma guerra de guerrilha, com forte perseguição a Solano Lopez, cada vez mais louco.
No dia 1º de março de 1870, o líder foi morto por tropas brasileiras, a guerra foi terminou e arrasou o Paraguai.

As consequências após o conflito foi um grande negocio para os aliados e não para o Paraguai, o pais perdeu mais da metade da população masculina e para muitos o Paraguai ainda não se recuperou, o pais ficou endividado contraindo dividas dos ingleses, a guerra não foi bom negocio para negros que não ganharam a liberdade e nem para indígenas que foram envolvidos no conflito, a guerra não foi um bom negocio para a Argentina, que não conseguiu territórios do Paraguai mas dividas com a Inglaterra.
Mas para quem a guerra do Paraguai foi um grande negocio? Para o judeu Rothschild e o colega cristão Barings, ao Brasil esses dois banqueiros emprestaram dez milhões de libras durante o conflito, e a argentina seis milhões, este fato chegou a um conclusão curiosa por parte de historiadores  que deram uma nova interpretação para a guerra, “o conflito foi fomentado pela Inglaterra afim de endividar o Brasil e a Argentina, como também sufocar o modelo econômico Paraguai” de forma geral o Paraguai não era um paraíso e sim um pais de muitos miseráveis, o bom negocio acabou sendo para os militares brasileiros, que saíram fortalecidos preparados para a conspiração contra o imperador D. Pedro II.



Bibliografia de pesquisa

Internet – sites diversos.

BUENO, Eduaro. Brasil: uma historia, cinco séculos de um pais em construção. . São Paulo: Leya, 2010.

Nenhum comentário:

Postar um comentário