Redes Sociais

Anuncio

Celular

Operação Salva Semestre

Celular

Quanta Gente.

Pesquisar neste blog

domingo, 26 de maio de 2013

O Oficio do Historiador



Por: Bruno Ferreira


A História como a ciência que estuda o passado para emprega-la no presente e quem sabe no futuro esta disposta a buscar a verdade dos fatos sabendo que não existe verdade absoluta o Historiador e aquele pesquisador que trabalha com esta ciência tal complexa e rica.
O Historiador olha para o passado colhe as informações que restaram desse, e da sua interpretação e valores que ele possui do presente, podendo até informar o que ocorrera no futuro.
Para fazer de sua pesquisa histórica ainda mais rica ele busca de variadas fontes para fazer de sua busca pela verdade uma forma de ajudar a constituir os fatos, esses fatos do passado podem ser interpretados e modificados segundo cada historiador que o pesquisa dando sua interpretação do que ocorreu na história.
Segundo o grande historiador Mark Block a diversidade dos testemunhos históricos é quase infinita. Tudo o que o homem diz ou escreve, tudo o que constrói, tudo o
que toca, pode e deve fornecer informações sobre o fato.
O historiador só pode afirmar algo se tiver como prová-lo.
Para fazer tal comprovação ele usa de vestígios e sinais deixados que possam ser diversos como: livros, revista, esculturas, imagens, telas, fotos, fitas, musicas, web-sites, certidões, diários oficiais, historia oral e escrita deixando claro que a história escrita e oficial tem mais chances de ser verídica.

Estes documentos são conhecidos como chamado de fontes históricas as fontes e o que faz o historiador ser bom ou ruim de um modo geral, a vários meios nos dias de hoje de buscar essas fontes a historia e sua historiografia foi evoluindo e diversificando passando por vários momentos e meios de pesquisa deixando de um modo geral mais complexa e rica e mais diversificada, deixando claro que para saber se o Historiador e bom ou não está muito relacionado com o seu currículo, livros e publicações textos e opiniões e por meio de suas fontes de pesquisa, sabendo que este historiador poderá ser julgado pelo futuro dependendo de quem o pesquisar e quem o fizer a pesquisa e de qual forma levantar informações.

Leitura Sugerida para melhor compreensão.

- Apologia da Historia O Oficio do Historiador que  é publicação póstuma do historiador Marc Bloch, co-fundador da revista Annales em 1929.


3 comentários:

  1. Oi Bruno!
    Muito interessante o seu blog.Poder mergulhar nos fatos históricos analisados pelos olhares experientes de um grande historiador é uma oportunidade única de aprendizagem. Bem vindo aos Educadores Multipicadores. Que você consiga boas parcerias. Sou educadora e atuo na área de informática educacional. Gosto de aventurar com uns rabiscos poéticos. Te aguardo para uma visita. http://gracitamensagens.blogspot.com.br
    Um afetuoso abraço
    Gracita

    ResponderExcluir
  2. “A verdade histórica é a mais ideológica de todas as verdades científicas [...]Os termos de subjetivo e de objetivo já não significam nada de preciso desde o triunfo da consciência aberta [...]. A verdade histórica não é uma verdade subjetiva, mas sim uma verdade ideológica, ligada a um conhecimento partidário”. (ARON cit. por Marrou, s/ data, p. 269)

    Se a fé nunca dependeu da história, porque fazem tanta questão desta última? Por que insistem em preservar essa bruma que envolve os primeiros séculos do cristianismo? Não devia ser assim. No entanto, quando fazemos uma aproximação dos fatos com fatos e não com ideias, é possível outra conclusão.

    http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/paguei-pra-ver

    ResponderExcluir
  3. “A verdade histórica é a mais ideológica de todas as verdades científicas [...]Os termos de subjetivo e de objetivo já não significam nada de preciso desde o triunfo da consciência aberta [...]. A verdade histórica não é uma verdade subjetiva, mas sim uma verdade ideológica, ligada a um conhecimento partidário”. (ARON cit. por Marrou, s/ data, p. 269)

    Se a fé nunca dependeu da história, porque fazem tanta questão desta última? Por que insistem em preservar essa bruma que envolve os primeiros séculos do cristianismo? Não devia ser assim. No entanto, quando fazemos uma aproximação dos fatos com fatos e não com ideias, é possível outra conclusão.

    http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/paguei-pra-ver

    ResponderExcluir