Redes Sociais

Anuncio

Celular

Operação Salva Semestre

Celular

Quanta Gente.

Pesquisar neste blog

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Resenha Teorias e práticas na formação de professores.



Por: Bruno Ferreira


A criança e a noção de respeito

Existe muita discussão sobre a ética e a moral, conversas formais e informais  que abordam este assunto tão polêmico de difícil solução, pois a imoralidade e o desrespeito existem no meio político e na sociedade em geral. O livro nos mostra como deve resolver essa questão.
Pesquisas foram feitas sobre o respeito e a moral para pontuar as condições pela reflexão em torno do que representam tais relações. Foram feitas pesquisas no aspecto teórico e metodológico, com crianças de ensino infantil.
Os testes foram aplicados nas condições de relações sociais possíveis e impossíveis Piaget explica que as relações respeitosas se constituem do amor e do medo vivenciando pela pessoa que respeita em relação à pessoa respeitada.
A criança aceita ordens porque mistura o que pensa e o que faz com noções práticas do outro a seu eu, não entendendo interpreta a sua maneira, que está baseado em modelos, necessita de intervenções de adultos que medeiem ações, ajudando a sair do egocentrismo.
Para Piaget é a busca de relações cooperativas como catalisadoras de um processo fundamental à construção humana a construção da autonomia moral, media da pela condição de respeito mutuo sentimentos são de caráter egocêntricos. Sentimentos morais possibilitam relações inter-pessoais responsáveis.
Para que a criança construa a noção de valores morais, primeiro precisa estabelecer a capacidade de troca, que caminhará ao respeito mútuo. Por meio da troca, formamos valores de todos os tipos.
Para a constituição de valores é preciso ter consciência, e essa consciência leva a ter ética nas relações, nas conquistas na qualidade de viver.
O livro fala do desrespeito que se caracterizam pela impossibilidade de situações valores atribuídos, trazendo para si como expressão de impotência.
Quando a experiência que envolve a regularidade no fazer no viver não é possível, sai de cena a capacidade de gerar estabilidade. E sem estabilidade torna-se difícil estabelecer o elo qualitativo entre dar limites e dar permissão torna-se complicado regular a regularidade. Na falta da regularização, a raiva pode tomar conta e diluir-se em meio ao medo.
Quando a relação é comprometida, quebrada pela raiva, a regularidade torna-se algo impossível de sustentar. O respeito é fruto da possibilidade de modular a vivencia da raiva.
As relações de respeito e desrespeito estão na medida da possibilidade de se estabelecer um elo qualitativo entre dar limites e dar permissão.
O desenvolvimento infantil é resultado de um todo composto de partes. E essas partes têm que ter qualidades expressas na possibilidade da vivência das relações. Temos como resultado direito o aparecimento da consciência individual acerca de si e acerca do outro, o que assegura a função das relações éticas.

Portanto o trabalho abordado neste livro, chega a conclusão de que podemos pensar em respeito como resultado da vivência dos sentimentos cuja experiência revela uma capacidade de gerenciamento  desses sentimentos, onde desenrola o desenvolvimento das relações morais, da construção moral, e da capacidade de respeitar.

Bibliografia

GRANVILLE, Maria Antonia (org) e outros. Teorias e práticas na formação de professores. Campinas, Papirus, 2007 ( Páginas 141 a 155).

Nenhum comentário:

Postar um comentário