Redes Sociais

Anuncio

Celular

Operação Salva Semestre

Celular

Quanta Gente.

Pesquisar neste blog

sábado, 28 de dezembro de 2013

Ensaio Histórico Literário da obra o Cortiço de Aluísio de Azevedo A crescente presença do Capitalismo em “ O Cortiço”




 



 Por: Bruno Ferreira

A presente obra narra a história de João Mourão, que sai em busca de riqueza na cidade do Rio de Janeiro onde se passa o enredo, vale ressaltar as mudanças que ocorreram na a sociedade brasileira naquele momento histórico e a busca que o personagem principal se debruça para alcançar a tão almejada riqueza. Para idealizar seus objetivos, o João encontra no cortiço um lugar para explorar a mão de obra a um preço baixo.
Vemos que o autor explora claramente uma sociedade em transformação, onde o modo de produção capitalista desenvolve-se cada vez mais, buscando sempre o aumento da mais-valia e do capital. É nitidamente perceptível na história a transição de uma sociedade tradicional para uma sociedade produtiva e ideias, no período que compreende o séc. XIX, mais conhecido como o século das luzes, uma época de plena expansão do sistema capitalista e aumento de consumo, levando o personagem do livro, João Mourão a preocupar-se com seu status social.
O plano de fundo que se passa a história, o sobrado do comerciante Miranda, homem bem-sucedido, entra em disputa com seu vizinho, João Mourão pela posse de um quintal.
            Os dois não entram em acordo e rompem relações, é quando João Mourão movido por inveja de seu vizinho, passa a trabalhar mais e mais para ficar mais rico que seu vizinho. O fragmento do livro contrasta a importância das metas que João perseguia:

João Romão não saia nunca a passeio, nem ia à missa aos domingos; tudo
que rendia a sua venda e mais a quitanda seguia direitinho para a caixa econômica e daí então para o banco. CAP I (AZEVEDO)

 Porém João fica decepcionado quando Miranda vira barão, ele percebe que não basta apenas ganhar dinheiro, mas possuir status e participar da sociedade burguesa, sendo assim, ler livros, ir aos teatros e participar da vida da elite social.
            Percebe-se que esse período na história foi marcado pelo surgimento de vários ricos ao redor do mundo. A riqueza dessas pessoas foram geradas das mais diversas maneiras, porém, eram hostilizados pela velha burguesia que possuía além de dinheiro o status quo mais refinado da época. João Mourão apesar de trabalhar para ficar rico percebe que seria hostilizado pela falta de requinte que não possuía para fazer parte de uma sociedade em constante mudança.
            João Mourão passa a imitar as conquistas do seu vizinho, transformando até o seu estabelecimento de um cortiço para se chamar Vila João Romão, percebe que o processo  constante de mudanças faz parte da dinâmica do capitalismo, ideia esta que está evidente na obra de Aluizio de Azevedo.
            A história chega ao fim quando João Mourão deixa de lado suas rusgas com Miranda e pede sua filha em casamento, mas sua amante Bertoleza atrapalha seus planos de casamento. Perante a situação João denúncia a amante como escrava fugida,  encarando a ascensão social de João como algo ruim, Bortoleza comete suicídio deixando o caminho livre para João se casar.
            Na obra o cortiço há vários outros personagens que se fazem presentes ao longo da narrativa, como os moradores de menor ambição financeira demonstrando claramente que  viviam uma vida mais simples e não queriam pertencer a sociedade capitalista como e o caso de Rita Baiana e Capoeira Firmo, Jerônimo e Piedade, um caso em particular é o de Rita baiana e o Português que mudam radicalmente sua postura diante dos problemas apresentados pela vida.
            Pode-se contextualizar que Aluízio de Azevedo descreve um cortiço que está presente em varias partes do Brasil no século XIX, demonstrando com clareza a influência dos cortiços do Rio de Janeiro, que foram derrubados para dar lugar a uma higienização social e urbana nesta cidade.
No começo do século passado quando o então presidente Rodrigues Alves quis demonstrar que o Brasil entraria numa era de prosperidade e modernidade, onde o velho estava sendo transformado e o Brasil estava saindo do atraso, tais influências norteadas nesse discurso foram geradas pelas mudanças que a burguesia almeja ao Rio de Janeiro. Nota-se que o capitalismo reproduzido pela burguesia é abordado na literatura como é o caso de Aluízio de Azevedo, que sem perceber, narra a história de um Brasil que busca sair do atraso e passar para o que se pregava moderno. A seguir, no trecho da obra, é visível as mudanças ocorridas no período.

O zunzum chegava ao seu apogeu. A fábrica de massas italianas, ali mesmo
da vizinhança, começou a trabalhar, engrossando o barulho com o seu arfar
monótono de máquina a vapor. As corridas até à venda reproduziam-se,
transformando-se num verminar constante de formigueiro assanhado. Agora, no lugar das bicas apinhavam-se latas de todos os feitios, sobressaindo as de
querosene com um braço de madeira em cima; sentia-se o trapejar da água caindo na folha. Cap II (AZEVEDO)

O autor ainda denúncia as péssimas condições de vida nos cortiços do final do século XIX, com pouca estrutura e casarões em péssimos estados; as divisões dos cômodos sendo feitas por lençóis ou compensados de madeira. A vida e os membros do cortiço, em péssimas condições, realidade esta, sempre abordadas a partir dos personagem habitantes do cortiço.
Portanto, vemos a crescente presença do capitalismo na vida do homem e no modo de viver da sociedade brasileira, como a vinda de fábricas para o Brasil, o aparecimento de cortiços demonstrando o descaso social e também as relações humanas que estão presentes na obra, como a prisão da amante de João Mourão, revelando-se um período de mudanças que só ocorreram por meio de um sistema econômico que vive em constante mudança, transformando não apenas a vida material mas as relações sociais, urbanas e econômicas.


Informações – “O Cortiço é um romance naturalista do escritor brasileiro Aluísio Azevedo publicado em 1890. que denuncia a exploração e as péssimas condições de vida dos moradores das estalagens ou dos cortiços cariocas do final do século XIX.”

Bibliografia





           
           
           

Nenhum comentário:

Postar um comentário