Redes Sociais

Anuncio

Celular

Operação Salva Semestre

Celular

Quanta Gente.

Pesquisar neste blog

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

A JOVEM DEMOCRACIA DO BRASIL


Por: Bruno Ferreira

                A democracia do Brasil é jovem e imatura diante da nossa história a republicana esta que foi proclama em 1889, pelas mãos de militares, e esses fizeram os primeiros mandatos presidenciais de nossa história, ficando conhecida como a república da espada   desta forma o processo republicano democrático não veio pelas mãos do povo.
No segundo momento vemos surgir uma oligarquia cafeeira e leiteira vindas dos estados de Minas e São Paulo tomaram posse no poder, esse período ficou conhecido como a república do “café com leite”, já que Minas Gerais produzia leite e São Paulo Café o chamado ouro negro do Brasil.
         A partir de 1930 ocorre um golpe vindos das mãos de um gaúcho que rompe o combinado da velha política de governar o Brasil e passa ele a fazer as mudanças que o Brasil queria seu governo durou até 1945, pois com o fim da segunda o Brasil lutava contra ditadores e tinha um no comando do país, este que fez o seu sucessor o General Dutra.
         A volta de Getúlio Vargas pelas mãos do povo de forma democrática perdurou até a sua morte, podemos definir o período de Vargas como “Era Vargas” ele que tirou o Brasil de um atraso industrial e colocou  em um novo rumo, diante de uma crise política acabou se suicidando, mas como ele mesmo disse em sua carta “saio da vida para entra para a história”, e sem dúvida nenhuma é um dos políticos mais interessantes da nossa republica.

         A jovem democracia do Brasil começou de forma popular pelas eleições de um desenvolvimentista e liberal “Juscelino Kubitschek” que por meio de investimento internacional conseguiu maior desenvolvimento do parque industrial brasileiro, e com definições feita através do seu plano, conhecido como “plano de metas”  que  procurou pregar o desenvolvimento econômico e social do Brasil e a transferência da capital federal do Rio de Janeiro para Brasília o processo conturbado de sua posse só aconteceu graças à intervenção do General Lott que assegurou a sua posse a presidência.

         O seu sucessor Jânio Quadros veio com um discurso inovador e por meio de promessas ao combate a mesma corrupção, que vemos hoje a candidata Marina combater, a uma frase dita por Marx “a história se repete, a primeira vez como tragédia, a segunda como farsa”.

         Ao final Jânio quadros renunciou ao governo e o seu vice João Goular assume a presidência, vale lembrar que o voto direto a presidente era restrita, ou seja, poucos votavam, no começo do século, por meio de Vargas 1932 que o voto passou a ser para maiores de 21 e que todos independente do sexo pudesse votar.
 João Goulart foi deposto devido a um golpe feito pelos Militares e a classe média alta e reacionária, muitos afirmam que ele foi deposto por sua postura simpatizante ao governo comunista e sua postura de reforma as “reformas de base” que ele propunha fazer no Brasil.
         O período militar no Brasil perdurou de 1964 até o ano de 1985 podemos dizer que esse período foi de crescimento econômico em diversas áreas porém apenas parte da população tinha direitos a toda a riqueza que o “milagre econômico do Brasil” ofertava com seu alto crescimento.
         Diante de pressões internas e externas e o fim do “milagre brasileiro” a sociedade organizou-se para o fim da era da ditadura um período marcado por injustiças, violência e repressão a liberdades individuais.
         Em uma eleição indireta o congresso escolheu Tancredo Neve como presidente do Brasil, este que estivera nos principais momentos da política nacional nos ultimas 50 anos e que não tomou posse devido sua saúde, o seu vice José Sarney, assume a presidência e faz um mandado difícil diante de crises socioeconômico e a diversos planos econômicos que fracassaram, assim a inflação acabava com a economia do Brasil.
         Em 1988 foi eleito o Jovem político Fernando Collor de Melo ganhando sua eleição do metalúrgico e sindicalista, Luiz Inácio Lula da Silva “LULA”, o mandato de Collor foi de intensa confusão, com plano econômico fracassado e dessagrando boa parte da elite ocorre também  escândalos de corrupção esse que chegou de forma triunfal ao Planalto saiu de por meio do  Impeachment.
A sorte do Brasil é que o seu vice Itamar Franco Tomou posse  e arrumou a casa conseguindo fazer um plano econômico consistente que foi planejado por meio de técnicos e por Fernando Henrique Cardoso que tornara-se presidente em 1994 ganhando também em 1998 de Lula.
          Devido ao seu segundo mandato ter sido arrasado por uma crise internacional e a um processo grande de privatização de grandes empresas estatais como a “Vale do Rio Doce” e empresas de comunicação, em seu segundo mandato ouve também uma perda da renda salarial do trabalhador e um prejuízo nas questões socais do Brasil.
         Em 2002 depois de três tentativas Lula o sindicalista ganha a presidência da república por meio de um novo Marketing político, sem dúvida foi a um novo Lula, em seu governo ele priorizou a área social, através de programas sociais, foi marcado por escândalos de corrupção chamado de “Mensalão” denúncia feita pelo deputado Roberto Jeferson.
 Com sua postura carismática e com um bom segundo mandato trazendo para o Brasil crescimento econômico aliado a uma distribuição de renda com o auxílio do credito e liberdade social os escândalos foram abafados,  sua postura diante das denúncias era de que de que não sabia de nada do que ocorria, procurou fazer trocas de ministros e com programas sociais e uma nova ministrada da fazenda Dilma Rousseff, fez a sua sucessora um pouco antes dela assumir a presidência, o mundo sofreu a crise da bolha imobiliária em 2008 entrando num processo de recessão nos mercados desenvolvidos.
 Os emergentes chamados BRICs sustentou o crescimento mundial, o Brasil com o auxílio da mesma formula inventada por Lula e com o PAC 2, Programa de Aceleração do Crescimento que busca o crescimento econômico e logístico do Brasil, porem novamente com denúncias de corrupção que busca afetar o governo do PT e com o auxílio de uma má fase econômica o processo de reeleição da Presidenta do Brasil parece bem mais complicado do que se pensava a um ano atrás.
         Na atual conjuntura política a menos de uma semana das eleições esta da seguinte forma, a oposição do PSDB representada por Aécio Neves ex governador de Minas e que fez de tudo para que um escândalo do Aeroporto não prejudica-se ainda mais sua campanha.
Como terceira via temos Marina que vem com um discurso de “Nova Política”, porém na pratica ocorre a formula da mesma velha política, e que vem sendo pressionada por movimentos LGBTs e movimentos religiosos protestantes pois nos dois casos ela não conseguiu agradar os eleitores com sua dita “política nova”, porém ao final costuma ceder a pressões, como foi o caso da Pressão feita pelo pastor Malafaia e do setor de Agronegócios, ela costuma dar um jeitinho bem brasileiro para conseguir o tão sonhado poder de nossa recém democracia, e tudo indica que está candidata estará no segundo turno para disputar o poder com Dilma.
         Dilma está com uma campanha esperada com seu mesmo ideal o de manter a mesma postura, porém sofre ataques de ambos oponentes devida a um crise internacional que afeta a nossa economia e que enfraquece as eleições e o governo dela, como diria a frase “mexeu no bolso a coisa pega” e no caso o bolso aqui é a economia do Brasil, também sofre com denúncias de corrupção e com péssimo índices econômicos e com os adversário estão loucos pelo poder aproveitam da situação que nos encontramos, porém mesmo assim Dilma Rousseff segue favorita ao planalto.
         Observamos que a jovem democracia do Brasil é imatura, já que temos um eleitorado muito alienado ao processo eleitoral e não a um contexto maior de percepção política, sendo assim pouco critico as questões políticas o brasileiro não se sente a vontade para participar do processo político.
 Podemos concluir que Brasil nos últimos anos viu o nascimento de uma classe média econômica de serviços públicos, como saneamento básico, moradia, educação, saúde e segurança entre outros, o que ocorre no Brasil é um paternalismo histórico no processo político onde as questões relacionadas a um serviço público de qualidade que deveria ser de fato de qualidade, foi  sendo  privatizada a setores para que o capital privado possa agir, porém sem modificar a situação social do Brasil, participando dos bons serviços públicos apenas aqueles brasileiros de classe, rica ou média ou  alta, terceirizamos a qualidade e fizemos do serviço público um calabouço de ineficiência por diversos motivos e quando ocorre crises econômicas os que mais sofrem são os brasileiros da classe C e os pobres.

A Democracia no Brasil ainda falta muito para que de fotos todos possam ser chamados de cidadãos com os mesmos direitos, porém diante de uma democracia jovem, temos um povo enganado e desprovido historicamente de educação chave para o sucesso de uma grande nação, observamos que ao longo da história o sucesso social passa apenas pelo sucesso econômico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário