Redes Sociais

Anuncio

Celular

Operação Salva Semestre

Celular

Quanta Gente.

Pesquisar neste blog

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

As Guerras Napoleônicas





Das grandes guerras ocorridas na história, as guerras napoleônicas estão, entre as mais importantes, pois influenciaram o destino de muitos países, inclusive o Brasil. A conturbada relação entre os revolucionários franceses e as monarquias européias fez com que os reinos da Áustria e da Prússia, em 1792, criassem uma aliança para reaver o trono da França, conhecida como primeira coalizão ou coligação. A resposta do Diretório, órgão máximo da república francesa veio, com a organização inúmeras tropas para o combate, dentre elas uma enviada para a Itália comandada pelo jovem Napoleão Bonaparte, que com grande agilidade em seus movimentos alcançou inúmeras vitórias em Lodi, Castiglioni, Árcole e Rívole em 1797.




Com essas outras conquistas a primeira coalizão viu-se estraçalhada. Sobrava apenas a Inglaterra, que insistia sozinha em lutar contra a França. Com a intenção de arruinar o poder inglês no Oriente Médio, Napoleão planejou a conquista do Egito. Desembarcou no delta do Rio Nilo, derrotando os mamelucos que controlavam esta região na famosa batalha das Pirâmides, porém, logo após a invasão da cidade do Cairo, os franceses ficaram imobilizados, pois haviam perdido a sua esquadra na batalha naval de Abukir. Com a notícia da formação de uma nova coalizão, Bonaparte e seu exército viram-se forçados a retornar para a França.
O retorno das forças francesas foi o trunfo que levou a mais uma vitória sobre a aliança das monarquias européias. Esta deu a Napoleão Bonaparte, recém nomeado cônsul pelo golpe 18 Brumário, uma grande fama entre as massas, levando em 1804 o Senado, em conjunto com um plebiscito, declará-lo imperador da França. Os ideais da revolução francesa se expandiam por todoa o continente europeu, o que causava um desequilíbrio nas demais nações européias. A paz perdurou na Europa por mais alguns anos, até que se formou uma outra coalizão.
Realizando um contra-ataque, os franceses se dirigiram contra a Áustria. Após atravessar o rio Reno, o exército inimigo se rendeu, e com a sua entrada triunfante em Viena a França pôde comemorar uma de suas mais rápidas campanhas; os russos e austríacos foram derrotados logo depois, em Austerlitz. A Prússia promoveu pouco depois a quarta coalizão, que foi derrotada em Iena. Entrando em Berlim, Napoleão decretou o “Bloqueio Continental” para acabar com a economia inglesa. A Rússia, outrora aliada dos prussianos, passou para o lado francês.
Porém, nem todos os Estados europeus aceitaram o bloqueio. Um deles foi Portugal, antigo aliado da Inglaterra, que teve que transferir a sua corte real para o Brasil, devido à invasão das tropas do General Junot.
A Espanha aliou-se à França, fazendo a Inglaterra atacar as colônias espanholas na América e no Caribe, o que gerou uma crise interna. Vendo que sua aliada estava com grandes problemas, Napoleão derrubou o rei espanhol e colocou no lugar seu irmão José Bonaparte o que forçou o povo a voltar-se contra ao imperialismo francês gerando carnificina na Península Ibérica. Essa revolução inspirou as demais nações européias a rebelar-se contra o império napoleônico.
O czar (imperador da Rússia) ficou encolerizado com Napoleão e para provocá-lo abriu seus portos aos ingleses, dando  início a guerra. Bonaparte arregimentou mais de 500.000 homens, constituindo assim o famoso “Exército das 20 nações”. Os russos sempre evitaram grandes batalhas, por isso recuaram devastando plantações e cidades que poderiam dar abrigo às tropas inimigas. Vencedores em Moskova, os franceses se apoderaram de Moscou, que foi parcialmente incendiada pelos próprios russos. Esperando pelo seu grande aliado, o “general inverno”, o czar atrasou as propostas de paz. O inverno veio. Napoleão optou pela retirada tarde demais, então expostos ao frio e à fome e perseguidos pela cavalaria russa, os soldados franceses pereciam aos milhares.
Após este desastre, os inimigos da França se uniram novamente em uma nova coalizão, e esta reuniu novo exército às pressas para tentar se defender. Os aliados foram vencidos em alguns conflitos, mas em Leipzig, na batalha das Nações, Napoleão sofreu uma irreparável derrota, que pôs em cheque o império francês. O fracasso em Leipzig foi tão evidente que os aliados entraram em Paris no ano de 1814. O Imperador ainda tentou abdicar em favor de seu filho, mas o senado já havia dado o trono a um irmão de Luís XVI, que recebeu o nome de Luís XVII.
Após fugir do exílio na ilha de Elba, Bonaparte foi aclamado pelos exércitos que iam prendê-lo. Em Paris, depôs Luís XVII e restabeleceu a ordem no império; essa empreitada durou cerca de cem dias. Reunidos no Congresso de Viena, os adversários o declararam fora da lei e estabeleceram uma ultima coalizão contra a França. Forçado a abdicar do trono, em 15 de julho de 1815, Napoleão invade a Bélgica com 124 mil soldados, dando início a batalha que selou o destino europeu: Waterloo.
O único trunfo do general Napoleão Bonaparte era de obter a vitória sobre os seus inimigos separadamente, antes que eles conseguissem se reunir. As tropas inimigas que ocupavam a área eram compostas por ingleses, prussianos, belgas, alemães e holandeses.
O objetivo de Napoleão era render os inimigos para forçar algum armistício. A tarefa não era fácil. O exército anglo-alemão contava com 93 mil homens, sob o comando do Duque de Wellington. Os prussianos tinham 117 mil homens, liderados pelo general Blücher. Para vencer os franceses deveriam atacar, mas devido ao fracasso do general Grouchy, eles foram atacados pela retaguarda, forçando a rendição da França. Sob custódia inglesa, o famoso e brilhante general Napoleão Bonaparte foi enviado a ilha de Santa Helena onde morreu, em 1821, dando fim a era napoleônica.

As guerras napoleônicas conseguiram difundir os ideais iluministas da revolução francesa, com o enfraquecimento das monarquias européias que após a Primeira Guerra Mundial seriam depostas dando lugar as repúblicas democráticas fundadas nesses ideais, que até então não tinham uma forte expressão no mundo, contribuindo assim, com muitas as revoltas coloniais. Além disso, a derrota francesa ter definido a Inglaterra como potência naval, econômica e militar da idade moderna.

Nenhum comentário:

Postar um comentário