Redes Sociais

Anuncio

Celular

Operação Salva Semestre

Celular

Quanta Gente.

Pesquisar neste blog

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

O Oriente Proximo e o Surgimento das Primeiras Cidades

Oriente Próximo e Primeiras cidades

Os problemas urbanos são desafios somente para os dias atuais? Qual a relação entre os homens com a natureza nas cidades, ontem e hoje? Como se deu a passagem do nomadismo para o sedentarismo, e a importância deste último estágio na formação das cidades? Qual o conceito de Civilização e de Estado? Onde e como surgiram as primeiras cidades?
Vamos tentar responder, sucintamente, estas questões neste artigo…
1. A sedentarização e a formação das cidades
Alguns historiadores dividem a Pré-história em apenas dois períodos: Paleolítico e Neolítico. Para estes, a formação das primeiras civilizações e, consequentemente, das primeiras cidades, marcam o final do Neolítico. Outros, no entanto, a dividem em três períodos: Paleolítico, Neolítico e Idade dos Metais. De qualquer forma, ao que parece, a maioria são de consenso de que a passagem do nomadismo para o sedentarismo ocorreu durante o Neolítico e, na sua fase final, entre 5000 a.C. e 4000 a.C., ocorreu o processo de fixação do homem no campo que motivou o desenvolvimento da agricultura e a consequente formação de aldeias, vilas e cidades.
As aldeias são pequenos aglomerados de casas, concentradas, normalmente, em espaço rural. Muitas destas aldeias se transformam em vilas – povoações de dimensões maiores que as aldeias – e, destas, surgem as primeiras cidades.
Nas cidades, enquanto alguns cidadãos cultivavam a terra, outros especializavam-se nos ofícios, utilizando técnicas de metalurgia (cobre, bronze e ferro), neste momento, já bastante desenvolvidas. Outros, ainda, detinham o poder governamental, cujos acontecimentos eram registrados por escrito. A escrita surge por volta de 4000 a.C.
Como afirma o historiador Tales Pinto
“a constituição das cidades na Antiguidade tinha por objetivo ser centro de comércio e ou também como fortificações de guerra contra inimigos. (…) De maior complexidade de atividades, foi necessário criar Estados para a defesa militar e a construção de grandes obras (de irrigação, templos, canais etc.), em um processo de formação das civilizações – termo relacionado aos povos que vivem em cidades.” [1]
Os fatores que determinam a existência de cidades são, entre outros, o desenvolvimento da agricultura, a venda dos excedentes agrícolas, a presença do Estado, incluindo um sistema de segurança, um poder político organizado, além de um sistema de escrita bem elaborado.
Queremos destacar dois exemplos de cidades antigas, Çatal Hüyük e Jericó:

=> Çatal Hüyük:

Uma das mais antigas cidades do mundo – Çatal Hüyük [2],
Descoberta em escavações feitas no centro-sul da Turquia, Çatal Hüyük:
  • suas casas eram de tijolos e construídas uma ao lado da outra, sem espaço para as ruas;
  • o acesso às casas era feito por aberturas nos telhados, e os habitantes andavam pela cidade caminhando sobre as casas;
  • os compartimentos das casas deviam ser escuros, recebendo luz apenas através das janelas colocadas na parte superior das paredes;
  • pequenas escadas levavam a aberturas no telhado, que serviam de acesso às casas;
  • a parte externa da cidade era um muro contínuo, sem nenhuma abertura, o que facilitava a defesa, pois seria difícil a qualquer invasor tomar a cidade. Para tanto, teria de retirar os habitantes de cada casa separadamente, enfrentando uma chuva de pedras e de flechas da casa ao lado. [3]

=> Jericó:

Esta cidade, mencionada na Bíblia como “Cidade das Palmeiras”, estava localizada a uns 27 quilômetros de Jerusalém, na Palestina e foi construída cerca de 9000 a.C. Era bem fortificada e dominava o vale do Jordão (na Palestina) e as passagens para as montanhas do oeste. Ela foi conquistada pelos hebreus na época de Josué. O Novo Testamento cita-a várias vezes e hoje, Jericó serve como atração turística a quem visita a Terra Santa.
2.  Civilização: a vida nas cidades
A palavra civilização está intimamente ligada ao conceito de “cidade”. Apesar de sua origem etnocêntrica europeia, a civilização “…numa perspectiva evolucionista é o estágio mais avançado de determinada sociedade humana, caracterizada basicamente pela sua fixação ao solo mediante construção de cidades, daí derivar do latim civita que designa cidade e civile (civil) o seu habitante.” [4]
 Veja o que diz Jaime Pinsky sobre este conceito:
Uma civilização, via de regra, implica uma organização política formal com regras estabelecidas para governantes (mesmo que autoritário se injustos e governados; implica projetos amplos que demandem trabalho conjunto e administração centralizada (como canais de irrigação, grandes templos, pirâmides, portos, etc.); implica a criação de um corpo de sustentação do poder (como a burocracia de funcionários públicos ligados ao poder central, militares, etc.); implica a incorporação das crenças por uma religião vinculada ao poder central, direta ou indiretamente (os sacerdotes egípcios, o templo de Jerusalém, etc.); implica uma produção artística que tenha sobrevivido ao tempo e ainda nos encante (o passado não existe em si, senão pelo fato de nós o reconstruirmos; implica a criação ou incorporação de um sistema de escrita (os incas não preenchem esse quesito, e nem por isso deixam de ser civilizados); implica, finalmente, mas não por último, a criação de cidades. De fato, sem cidades não há civilização. [5]
Pontuando, então, os fatores propostos por Jaime Pinsky para o conceito de civilização, temos: organização politica formal; projetos amplos de trabalho conjunto; burocracia estatal; religião vinculada ao poder central; produção artística; sistema de escrita; existência de cidades;
3.  Oriente Próximo / Crescente Fértil
As primeiras cidades foram construídas na região do Crescente Fértil. Çatal Hüyük (na Turquia) e Jericó (na Palestina), por exemplo, são cidades antigas que estão nesta região, também chamada de Oriente Próximo. O termo Crescente Fértil foi criado pelo arqueólogo James Henry Breasted, em 1906, por perceber o formato de uma lua crescente desta região e também por causa da presença de grandes rios que deixam o solo fértil.
Crescente Fértil [6]
A presença de rios era uma condição vantajosa à ocupação humana. Alguns rios como Tigre, Eufrates, Nilo e Jordão estão nesta região, e permitiam assim o pleno acesso à água potável, que também serve para a irrigação das lavouras locais, bem como para criação de gado.
O Crescente abrange as áreas da Mesopotâmia e do Levante (os territórios ou partes dos territórios da Palestina, Israel, Jordânia, Líbano, Síria e Chipre), delimitado ao sul pelo deserto da Síria e ao norte o Planalto da Anatólia.
Nas lições seguintes, veremos como a necessidade de controlar a água das enchentes, como é o caso dos rios Nilo, Tigre e Eufrates, por exemplo, levou à construção de grandes obras hidráulicas. As “condições favoráveis à agricultura requeriam uma necessidade constante de controle da água, situando-se aí um dos principais fatores do início das urbanizações. ”[7] 
Água: fonte de vida em perigo
Os rios desempenham papel fundamental no surgimento das primeiras civilizações. Além de serem utilizados para o transporte de pessoas e mercadorias, eles asseguravam a sobrevivência da população ao garantir o abastecimento de peixes e água potável. Na região da Mesopotâmia e do Nilo, no Egito, quando os rios transbordavam, as águas fertilizavam suas margens, proporcionando assim um solo ideal para a prática da agricultura.
As enchentes, porém, ao mesmo tempo em que deixavam o solo bom para o plantio, podiam provocar prejuízos, alagando casas e destruindo plantações. Diante desses problemas, a população teve de se organizar e construir coletivamente diques e canais para conter as inundações e irrigar as terras cultiváveis. Os sumérios, por exemplo, conseguiram transformar diversas regiões do deserto em áreas férteis desviando a água de alguns rios da Mesopotâmia, entre eles o Eufrates.
Passados muitos séculos, a água continua sendo essencial para a vida na Terra. Mas a água potável é um recurso natural finito. De toda a água existente no mundo, somente 2,5% são constituídos por água doce (os outros 97,5% são de água salgada, imprópria para o consumo). Desse percentual, apenas 0,3% correspondem a rios e lagos. O restante da água doce se encontra em lençóis freáticos, geleiras ou coberturas de neve permanente. Assim, de toda a água que existe no mundo, apenas uma pequena fração está disponível para o consumo humano. [8]
Resumindo:
– o processo de sedentarização teve início do Neolítico;
– o surgimento das cidades foi uma consequência do processo de sedentarização;
– o conceito de cidade está intimamente ligado ao conceito de civilização;
– desenvolvimento urbano, existência de grandes rios, presença do Estado e surgimento da escrita são os principais fatores que marcam uma civilização;
– as primeiras cidades surgiram na região do Crescente Fértil, ou Oriente Próximo;
– o desenvolvimento de diversas obras hidráulicas pelos povos desta região favoreceu o bom uso da água para uso doméstico, do rebanho e da agricultura…

–  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –  –
Notas:
  • [1]  PINTO, Tales. Evolução das cidades. Disponível em: <http://www.brasilescola.com/historia/evolucao-das-cidades.htm>. Acesso de 20/03/2013.
  • [2]  Foto de Çatal Hüyük. Disponível em: <http://liceu1e.blogspot.com.br/2012/02/aldeias-e-primeiras-cidades-catal-huyuk.html>. Acesso em 19/03/2013.
  • [3]  PILETTI, Nelson & Claudino. História: EJA (Educação de Jovens e Adultos) – 3º Ciclo. São Paulo: Ática, 2003, p. 33 (Texto adaptado).
  • [4]  Civilização. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Civiliza%C3%A7%C3%A3o>. Acesso em 20/03/2013.
  • [5]  PINKY, Jaime. As primeiras civilizações. São Paulo: Atual, 1994, p. 46.
  • [6]  Crescente Fértil. Disponível em <adaptados de: <http://www.infoescola.com/geografia/crescente-fertil>. Acesso em 21/03/2013.
  • [7]  Caderno do professor – História. Ensino Médio – 1ª série, Vol. 1. SEE-SP, 2009, p. 31.
  • [8]  AZEVEDO, Gislaine Campos & SERIACOPO, Reinaldo. História em movimento – Vol. 1. São Paulo: Ática: 2010, p. 38.

3 comentários:

  1. Gostaria de fazer uso do seu texto para uma aula.
    Desde já agradeço sua atenção.

    ResponderExcluir
  2. boa noite amigo, posso usar os mapas postados no seu blog? Muito bom seu blog

    ResponderExcluir